Abandonava o Porto sem a certeza da greve da CP me levar a Lisboa. E na incerteza do que  pode acontecer na nossa vida, quando arriscamos a apanhar esta ou aquela carruagem, a beleza do inesperado apanhava-me na Praça Filipa de Lancastre.

O Porto tem sempre esta capacidade de me renovar, não apenas nos sonhos mas na vibração de um povo de uma aldeia grande, para quem é mais fácil conversar. Não me lembro nunca de ter apanhado um Táxi no Porto que fosse uma má experiência. Este tinha a sofisticações de uma máquina multibanco que ainda não tinha visto por cá e que tanto defendo há anos nos Táxis de Lisboa.

Na conversa solta que gosto sempre de arriscar, o Sr. Paulo Camões confessava-me que não tinha feitio para estar em casa e enquanto puder vai trabalhar. Também eu me vejo a trabalhar até morrer.

As palavras correm soltas e o Sr. Paulo diz-me que nem sempre navegou nas ruas. A sua vida foi entregue ao Atlântico e chegou até Sargento. Na marinha, perguntei-lhe? E não resisti a perguntar se conhecia alguém que também eu conhecia.

Depois há qualquer coisa de sagrado que se revela muitas vezes em forma de nome de pastelaria. E nesse sinal, o toldo à minha esquerda revelava um apelido. Por isso continuei a conversa. Perguntei-lhe se era feliz, quantos filhos tinha e como tinha sido criar família tanto tempo no mar.

Hoje a navegar uma das maiores cabines sociológicas da cidade, o seu táxi, acabamos a viagem com a certeza que há encontros que valem a pena. E sobre tudo o que me contou e que guardo como ‘uma miúda guarda um tesouro’ retenho-me numa simples frase. ‘Sobre tudo o que gostamos, vale sempre a pena correr atrás’.

esta plataforma Atlântica no facebook está aqui