Pin it

para quem acompanha este blog já sabe que não gostei, não gosto e jamais gostarei do Dubai. Se por um lado admiro a capacidade de concretização da família Al Maktoum não posso deixar de achar que o que acontece por lá é a antítese do que eu acho ser a nossa vida na terra: uma fusão com a natureza. de qualquer maneira, viajar serve para estendermos a nossa erudição e conhecimento. não tem de ser a viagem da nossa vida. sobre o hotel Armani, que me levou aos Emirados Árabes Unidos, a certeza de que será uma grande referência da hotelaria mundial. aqui fica o testemunho escrito para a revista Fora de Série do Diário Económico.

Pin it
Pin it
Pin it
Pin it

Viajar para terras de areia transporta-me sempre para o ‘Chá do Deserto’ de Bernardo Bertolucci. A imensidão do silêncio, os desenhos construídos pelo movimento da terra ou as cores quentes que me enaltecem os sentidos levaram-me ao deserto, com a certeza de que não assinaria por baixo o diálogo de Debra Winger e John Malkovich, com Campbell Scott. No destino da viagem às areias da Arábia, o encontro com o primeiro hotel Armani, situado no Burj Khalifa, o mais alto edifício do mundo. O Hotel Armani Dubai – o primeiro de uma rede que se quer estender em 2011 a Milão, Egipto e Marrocos – foi desenhado pelo Skidmore, Owings, & Merrill, os mesmos que desenharam as Sears Tower em Chicago e a Freedom Tower em Nova Iorque. Inspirado numa flor do deserto, a Hymenocallis, o Burj Khalifa que ultrapassou o edifício Taipei 101, tem uma altura de 828 metros, possíveis de serem percorridos pelo elevador mais rápido do mundo, a 18 m/s (65 km/h, 40 mph), sem qualquer sensação de movimento durante a viagem.

‘Stay with Armani’
Inovação em hospitalidade, design, estética e estilo são os lemas do conceito ‘Stay with Armani’, que acompanha toda a imagem do hotel, com morada nos primeiros oito pisos, assim como no trigésimo oitavo e nono andares do Burj Kalhifa. A segurança é garantida pela paragem de qualquer carro ou peão que faça o percurso que separa as ruas da cidade, da entrada do hotel. Abrem a porta do carro dois homens vestidos com calças e camisolas pretas que pelos cânones de beleza, parecem saídos de um catálogo de Giorgio Armani. Seguem-se mais dois para abrir as portas de entrada e impressiono-me com a elegância do ‘lobby’. Antes de ter tempo para me dirigir a qualquer recepção, sou surpreendida pela simpatia de uma recepcionista, vestida de Armani (todas as fardas foram desenhadas pelo designer italiano) que me pede para aguardar num dos sofás estofados a seda. Espero três minutos e enquanto olho para um dois balcões do lado direito e esquerdo, verifico que o conceito de recepção é inexistente, quando sou novamente cumprimentada, desta vez pela minha ‘lifestyle manager’, a Anne, uma francesa que me leva directa para uma suite no sétimo andar. Apercebo-me do conceito instituído pelo ‘Mr. Armani’, como lhe chamam as muitas nacionalidades que trabalham neste hotel. A minha suite é a número 725 e além de duas casas de banho, um quarto, uma sala e ainda um terraço onde posso dar festas privadas. Numa das mesas da sala esperam-me flores e morangos frescos com opção de os provar com açúcar em forma de neve ou natas batidas que parecem veludo. A Anne explica o conceito de ‘lifestyle manager’ – que tem como intenção um serviço mais personalizado e próximo do cliente – enquanto me ensina todas as funções de um comando que exibe o logotipo Armani. Será a partir deste comando que farei quase tudo dentro da suite: abrir e fechar as cortinas, fechar e acender luzes ou carregar num botão para o ‘lifestyle manager’ vir ao quarto ou ligar-me de volta. O quarto exibe cores que se estendem ao chocolate dos armários, ao bronze das sedas usadas nas paredes forradas a tecido, nos estofos e cortinas até à cor de areia que impera o ambiente das casas de banho. Tudo é sóbrio, tudo é muito simples e elegante. Na casa de banho reparo nos cotonetes invulgarmente negros serem mais compridos do que o normal e na forma do sabonete, uma pedra cor de fogo que nos transporta ao fundo do mar. Diferente do habitual, todo o serviço de bar – bebidas, aperitivos e chocolates Armani – é para o cliente usufruir sem qualquer custo. As bebidas alcoólicas são apenas possíveis por ‘room service’, altamente compensado com vários tipos de água como a norueguesa Voss ou a qualidade dos sumos biológicos. Há ainda Nespresso e chá à descrição e chocolates onde impera a marca Armani.

Setecentos e um empregados para cento e sessenta quartos
Mais de quatro empregados por quarto estendem-se por nacionalidades que atravessam países como Suécia, Itália, Índia, Bangladesh, Egipto, França ou Paquistão entre tantos outros. Nas áreas comuns destaca-se o Armani Lounge com vista para a aclamada fonte do Dubai, ideal para um aperitivo ou ‘drink after business’ sempre servido por empregadas elegantes, que se movem com um vestido que facilmente usaria num cocktail em Portugal. O mesmo acontece na elegância dos vestidos de modelo quimono das discretas e também bonitas empregadas de limpeza, sempre presentes já que os Emiratis são obcecados pelo brilho. (pode-se ver às seis da manhã homens a limpar os carris do metro com a mesma facilidade que confirmamos os setenta por cento de humidade do ar). Neste piso térreo há ainda a Armani Galleria, uma boutique de acessórios de alta-costura exclusivos, a Armani Dolci, uma loja com selecção de doces e chocolates e a Armani Fiori, uma boutique floral com arranjos de flores frescas pensados por Giorgio Armani.

Os olhos também comem
Com a certeza que foi o ‘buffet’ de pequeno-almoço mais bonito que alguma vez experienciei, os produtos são de extraordinária qualidade e toda a padaria e pastelaria (aspecto fora de série e continuamente reposta, por uma sombra da equipa Armani) é feita dentro de portas. O restaurante ‘Mediterraneo’ onde também são servidos os pequenos-almoços têm assinatura portuguesa, pelo talento de Pedro Baroso e Jorge Costa, chefe e subchefe (ambos ex-Penha Longa) que fazem as honras da casa e confirmam o charme lusitano além fronteiras, enquanto cumprimentam alguns clientes habituais. Empregados de calças esvoaçantes cor de estanho trazem como bebida de boas vindas, um delicioso sumo de manga laranja e gengibre, chá ou café e ainda um tabuleiro cromado, com torradas acabadas de fazer protegidas por um pano de linho. No objectivo de comer tudo o mais fresco possível, estrondosos ovos ‘Benedict’ ou panquecas com doce acabadas de fazer, pedem-se à carta.

Do outro lado do Armani Lounge está o Armani Ristorante a comando do carismático italiano Alessandro Salvatico. Com grandes janelas e mesas circulares, foi a melhor refeição que fiz no Dubai com nota vinte para a sobremesa, ‘Baverese alla vanilla, crema alle viole, sorbetto al cassis’ talvez a mais bonita e melhor que alguma vez provei na minha vida. O restaurante indiano Amal, o japonês Hashi e o Peck complementam a oferta de restauração do hotel. Há ainda espaço para um Spa e para o club Armani Privé, uma discoteca aberta até às três da manhã e com entrada directa a partir do exterior, onde emiratis e estrangeiros gozam momentos de libertação através da música e o maior ecrã do mundo, alguma vez colocado num local nocturno.

Na profundidade de uma cidade construída sobre as areias do deserto, a cumplicidade do olhar dos que constroem esta cidade é retida nos sorrisos de povos simples que contrastam com o que as inimagináveis ambições do homem. Na beleza da simplicidade e sem qualquer dúvida que a nova aposta de Giorgio Armani será uma referência de qualidade extraordinária na hotelaria mundial, retenho ainda nesta experiência arábica, as palavras do poeta José Tolentino Mendonça, que tanto me acompanhou nestes dias de visita ao Dubai. ‘Perdemos repentinamente, a profundidade dos campos, os enigmas singulares, a claridade que juramos conservar, mas levamos anos a esquecer alguém que apenas nos olhou’.
Armani Hotel Dubai
Tel. +971 4 303 4222
www.armanihotels.com
A partir de € 375

Na pureza da experiência arábica
A quarenta e cinco minutos da cidade, situado nos duzentos e vinte e cinco quilómetros da Reserva do Deserto do Dubai, o Al Maha Desert Resort & Spa é uma fuga privilegiada na fusão com a natureza. O paraíso pertence ao ‘The Leading Smal Hotels of the World’, com morada num antigo campo Beduíno foi galardoado com inúmeros prémios internacionais, incluindo o importante National Geographic Traveller & Conservation International. As suites espaçadas umas das outras com piscina privada e com vista para as dunas ou para as montanhas Hajar, parecem tendas montadas num oásis do deserto e permitem a observação de mais de trinta e três mamíferos e répteis e mais de cem espécies de pássaros. Todas as refeições são feitas dentro de portas, as quais podem ser feitas no restaurante‘Al Diwwaan’, no ‘deck’ privado das suites ou no meio na beleza das dunas se o calor permitir. A bênção deste oásis estende-se ainda as caminhadas no deserto, passeios a cavalo ou de camelo, observação de falcões, ou a uma revigorante aula de ioga ao nascer do Sol.


Al Maha Desert Resort &  Spa
Tel. +971 4 303 4222
www.emirateshotelsresorts.com/al-maha
A partir de € 650

Não deixe o Dubai sem observar os locais no Dubai Mall, sentado no restaurante Switch decorado pelo designer egípcio Karim Rashid, visitar a zona de Deira através de abras (pequenos barcos que os passageiros usam para atravessar o estuário de Dubai, entre as estações abra em Bastakiya e Baniyas Road), jantar no restaurante argentino do The Palace Old Town ou no internacionalmente conhecido japonês Zuma uma das moradas mais emocionantes da restauração do Dubai. Os melhores meses para não apanhar temperaturas elevadas são de Outubro a Abril.

artigo publicado na revista Fora de Série do Diário Económico na edição de Julho de 2010